Argumentos por analogia


Há uma excepção à regra 8 ("use mais do que um exemplo"). Os argumentos por analogia, em vez de multiplicarem exemplos para apoiarem uma generalização, argumentam a partir de um caso ou exemplo específico para provarem que outro caso, semelhante ao primeiro em muitos aspectos, é também semelhante num outro aspecto determinado.

O presidente americano George Bush argumentou uma vez que o papel do vice presidente é o de apoiar as políticas do presidente, concordando ou não com elas, porque "ninguém quer meter golos na própria baliza".

Bush está a sugerir que fazer parte da administração é como fazer parte de uma equipa de futebol. Quando alguém entra para uma equipa de futebol, concorda em obedecer às decisões do treinador, porque o sucesso da equipa depende dessa obediência. Bush sugere que, analogamente, entrar para a administração é um compromisso de obediência às decisões do presidente, porque o sucesso da administração depende também da obediência. Distinguindo premissas e conclusão:

Quando alguém entra para uma equipa de futebol, concorda em obedecer às decisões do treinador (porque o sucesso da equipa depende da obediência dos respectivos membros).

A administração americana é como uma equipa de futebol (o seu sucesso depende também da obediência dos respectivos membros).

Logo, quando alguém entra para a administração americana, concorda em obedecer às decisões do presidente.

Repare na palavra "como" em itálico na segunda premissa. Quando um argumento sublinha as semelhanças entre dois casos, é muito provavelmente um argumento por analogia.

Eis um exemplo mais complexo:

Ontem, em Roma, Adam Nordwell, o chefe índio da tribo Chippewa, protagonizou uma reviravolta interessante. Ao descer do avião, proveniente da Califórnia, vestido com todo o esplendor tribal, Nordwell anunciou, em nome do povo índio americano, que tomava posse da Itália "por direito de descoberta", tal como Cristóvão Colombo fizera quando chegara à América. "Proclamo este o dia da descoberta da Itália.", disse Nordwell. "Que direito tinha Colombo de descobrir a América quando esta já era habitada pelo seu povo há milhares de anos? O mesmo direito tenho eu agora de vir à Itália proclamar a descoberta do vosso país[1]."

Nordwell está a sugerir que a sua "descoberta" da Itália é como a "descoberta" da América por Colombo em pelo menos um aspecto importante: tanto Nordwell como Colombo reclamaram a posse de um país há séculos habitado pelo seu povo. Assim, Nordwell afirma ter tanto "direito" a reclamar a posse da Itália como Colombo tinha a reclamar a posse da América. Contudo, claro, Nordwell não tem qualquer direito a reclamar a posse da Itália. Logo, Colombo não tinha qualquer direito a reclamar a posse da América.

Nordwell não tem direito a reclamar a posse da Itália em nome de ninguém, e menos ainda por "direito de descoberta" (porque a Itália é habitada pelo seu povo há séculos).

A pretensão de posse de Colombo em relação à América, "por direito de descoberta", é como a pretensão de posse de Nordwell em relação à Itália (também a América era habitada pelo seu povo há séculos).

Logo, Colombo não tinha direito de proclamar a posse da América em nome de outro povo, nem mesmo "por direito de descoberta".

Como avaliamos os argumentos por analogia?


A primeira premissa de um argumento por analogia estabelece uma pretensão baseando se no exemplo usado como analogia. Recorde á regra 3: certifique se de que a premissa é verdadeira. É verdade que Nordwell não tem direito a reclamar a posse da Itália em nome dos índios Chippewa? (Sim.) E verdade que, quando se entra para uma equipa de futebol, se concorda em obedecer às decisões do treinador? (Mais ou menos: mas qualquer pessoa pode querer traçar a própria estratégia se o treinador perseguir objectivos errados!)

A segunda premissa de um argumento por analogia estabelece que o exemplo na primeira premissa é como o exemplo do qual o argumento tira uma conclusão. Avaliar esta premissa é mais difícil e exige uma regra própria.


12. A Analogia Requer um Exemplo Semelhante num Aspecto Relevante


As analogias não exigem que o exemplo usado como analogia seja exactamente como o exemplo na conclusão. A administração americana não é exactamente como uma equipa de futebol. Ela é, por exemplo, constituída por milhares de pessoas, enquanto uma equipa de futebol envolve 30 ou 40 pessoas. As analogias exigem apenas semelhanças relevantes. O tamanho da equipa é irrelevante para o argumento de Bush: o argumento dele é acerca do que o trabalho de equipa exige.

Uma diferença relevante entre uma equipa de futebol e a administração americana é que num jogo de futebol tudo depende de pensar e agir rapidamente, enquanto as decisões da administração devem ser tomadas com cuidado e deliberação. Esta diferença é relevante porque, quando há tempo para deliberar, pode ser importante o vice presidente dizer se concorda ou não com o presidente. A analogia de Bush só funciona, pois, parcialmente.

Analogamente, a Itália do século XX não é exactamente como a América do século XV. A Itália é conhecida por todos os alunos da escola primária do século XX, por exemplo, enquanto no século XV a América era desconhecida da maior parte do mundo. Nordwell não é um explorador, nem um avião comercial o Santa Maria. Nordwell sugere, contudo, que estas diferenças não são relevantes para a analogia. Nordwell pretende simplesmente recordar nos que não faz sentido proclamar a posse de um país já habitado pelo seu povo. Não interessa que essa terra seja conhecida dos alunos da escola primária do resto do mundo ou não, nem a maneira como o "descobridor" lá chegou. A reacção mais apropriada teria sido a de tentar estabelecer relações diplomáticas, tal como tentaríamos fazer hoje se, de alguma maneira, a Itália e o seu povo tivessem agora sido descobertos. É esse o ponto de vista de Nordwell e, assim tomada, a sua analogia produz um bom argumento.


Há um argumento famoso que usa uma analogia para tentar estabelecer a existência de um criador do mundo. Podemos inferir a existência de um criador da ordem e da beleza do mundo, afirma este argumento, tal como podemos inferir a existência de um arquitecto ou de um carpinteiro quando vemos uma casa bonita e bem construída. Expresso segundo a forma premissa e conclusão:

As casas bonitas e bem construídas têm de ter "criadores": autores e construtores inteligentes.

O mundo é como uma casa bonita e bem construída.

Logo, o mundo tem também de ter um "criador": um autor e arquitecto ― Deus.

Uma vez mais, não são necessários mais exemplos neste argumento; o que o argumento quer sublinhar é a semelhança do mundo com um exemplo ― uma casa.

Se o mundo é ou não realmente semelhante a uma casa de maneira relevante, não é, no entanto, claro. Sabemos bastantes coisas acerca das causas das casas. Mas as casas são partes da natureza. Sabemos de facto muito pouco acerca da estrutura da natureza como um todo ou acerca dos tipos de causas que poderá ter. David Hume discute este argumento nos seus Dialogues Concerning Natural Religion e pergunta:

Constituirá parte da natureza uma regra para o seu todo? [...] Pensa [em quão] grande é o passo que deste quando comparaste casas [...] com o universo e da sua semelhança em alguns aspectos inferiste uma semelhança nas suas causas [...] A grande desproporção que existe não afastará qualquer comparação e inferência[2]?

O mundo é diferente de uma casa pelo menos nisto: uma casa é parte de um todo mais vasto ― o mundo ―, enquanto o próprio mundo (o universo) é o todo mais vasto que existe. Por isso, Hume sugere que o universo não é semelhante a uma casa de forma relevante. As casas implicam realmente "criadores", mas ― tanto quanto sabemos ― o universo como um todo pode conter a sua causa em si próprio. Esta analogia produz, portanto, um argumento fraco.

 

[1] Miami News, 23 de Setembro de 1973.

[2] Dialogues Concerning Natural Religion, Indianapolis, Hackett Publishing Company, 1980, parte II ( Diálogos sobre a Religião Natural, II).

 

Anthony Weston, A Arte de Argumentar, Gradiva, Lisboa, 1998, pp. 43-48.

 

© Filosofia e Educação, 2001-2014. Todos os direitos reservados.

filedu@filedu.com